Tarifas Diferenciadas para a Baixa Tensão

h03A aplicação de tarifas diferenciadas na Alta e Média Tensão possibilita a otimização apenas das redes de tensão de 13,8 kV acima. Mesmo assim todas essas redes cujo fluxo de carga esteja predominado pela carga de baixa tensão continuam sendo sub-utilizadas. Ou seja, a modulação da carga dos poucos clientes de alta tensão que estão conectados direta ou indiretamente nessas redes não é suficiente para a melhoria de seu fator de carga, ou para reduzir sua demanda máxima.

Assim, a implantação de uma Tarifa Diferenciada de Baixa Tensão, na maioria das empresas distribuidoras do país, ainda é um importante instrumento de redução dos custos de fornecimento de energia elétrica. Isto significa entregar a mesma quantidade de energia com menos investimento em capacidade de linhas e subestações, significa menos custo para o país.

Os Projetos Piloto de Baixa Tensão que nossa equipe assessorou mostraram que a capacidade de redução de carga na ponta dos clientes residenciais é aparentemente pequena (de 10 a 20% de redução), mas na verdade representa no mínimo uns 5 bilhões em economia de investimentos para as empresas do SUDESTE, por exemplo, (são as distribuidoras com mais baixo fator de carga da baixa tensão). Mas esse potencial de redução de carga com certeza irá aumentar muito, com o aumento das tarifas (tendência de aumento do custo da energia) e principalmente, com a implantação das tarifas diferenciadas na BT. Na medida em que o sinal for dado efetivamente ao mercado, haverá um enorme incentivo à produção de equipamentos de baixa potência e no uso extensivo no aquecimento de água com energia solar nas novas obras da construção civil.

A engenheira Neusa Antunes participou dos dois primeiros Projetos Piloto de Tarifa Amarela (CEMIG e CPFL), na década de 80, coordenados então pelo DNAEE. E nossa equipe participou dos projetos pilotos mais recentes da CEMIG e da AES-Sul. A experiência adquirida já mostrou que as modalidades adequadas para a baixa tensão é tarifa monômia em R$/MWh com preços diferenciados em 3 postos horários. Mas com certeza temos ainda muita coisa a pesquisar nas outras empresas do país, inclusive saber onde se aplica e onde não se aplica tarifas diferenciadas na baixa tensão (empresas do Norte por exemplo).

A ANEEL deveria incentivar novos Projetos Piloto e Tarifa Branca nos programas de P&D pois a implantação dessas tarifas trará um benefício enorme para toda sociedade.

Bookmark the permalink.

Comments are closed.